Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Celebrações

Papa: Maria, "oásis sempre verde" da humanidade

- AFP

08/12/2017 13:02

Cidade do Vaticano(RV) – Hoje, sexta-feira, dia 8 de Dezembro, solenidade de Imaculada Conceição, o Papa Francisco presidiu, às 12 horas locais de Roma, a celebração mariana do Ângelus. Milhares de fiéis e peregrinos provenientes de diversas partes da Itália e do mundo, congregaram-se, desde muito cedo, na Praça de S. Pedro para assistir à esta cerimónia.

Na sua alocução, o Papa iniciou por sublinhar que hoje, disse, contemplamos a beleza da Maria Imaculada. O Evangelho que narra o episódio da Anunciação, acrescentou o Santo Padre, ajuda-nos a compreender o que estamos a festejar hoje, sobretudo através da saudação do Anjo que dirigindo-se à Maria lhe diz: “Ave cheia de graça”.

Ora, esta palavra, “ Ave, cheia de graça”, que Francisco sublinha não ser de fácil tradução, na verdade revela o novo nome que Deus deu a Maria e cujo significado é superior ao nome que os seus pais lhe tinham dado desde o seu nascimento. Por isso, mesmo antes de chamá-la com o seu nome, Maria, o Anjo chamou-a “ cheia de graça”, um nome que também nós hoje usamos todas as vezes que nos dirigimos à Maria.

“O que significa cheia de graça? Que Maria é cheia da presença de Deus. E se está inteiramente habita por Deus, não há lugar portanto nela para o pecado. É uma coisa extraordinária, porque tudo, no mundo, infelizmente, está contaminado pelo mal. Cada um de nós, olhando para dentro de si, vê os lados obscuros. Mesmo os grandes santos eram pecadores e todas as realidades, mesmo as mais belas, são contaminadas pelo mal: todas, excepto Maria. Ela é a única “oáses sempre verde” da humanidade, a única incontaminada, criada imaculada para acolher plenamente mediante o seu sim, Deus que vinha no mundo e iniciar assim uma nova história”.

Todas as vezes portanto, que reconhecemos Maria como a cheia de graça, sublinha o Pontífice, nós a enaltecemos mediante um elogio superior, o mesmo que fez Deus com ela. Ora, para o Papa, o maior elogio que se pode fazer à uma senhora, é dizê-la, com garbo, que ela demonstra ter uma idade muito jovem. Por conseguinte, quando dizemos a Maria, cheia de graça, num certo sentido, dirigimo-la também o mesmo elogio superior à todos os outros elogios. Neste sentido nós reconhecemos Maria sempre jovem, porque jamais envelhecida pelo pecado.

Existe uma única verdadeira coisa que faz envelhecer: não a idade, mas o pecado. O pecado envelhece, porque esclerotiza o coração, fecha-o, o torna inerte, o faz desflorecer. Mas a cheia de graça é vazia de pecado. Por isso é sempre jovem, é mais jovem do que o pecado, é a mais jovem da geração humana.

Hoje, recordou o Santo Padre, a Igreja se enaltece com Maria, chamando-a “toda bela, tota pulchra”. Tal como a sua juventude não reside na idade, assim também a sua idade não consiste na exterioridade.

De facto, sublinha ainda o Papa, Maria, como demonstra o Evangelho de hoje, não excele em aparência: de simples família, vivia humildemente em Nazaré, uma pequena aldeia quase desconhecida. E também não era famosa: mesmo quando o Anjo a visitou, ninguém soube do evento, naquele mesmo dia não estava presente nenhum repórter, nenhum jornalista. Mas sobretudo, recorda ainda Francisco, Maria não teve nem tão pouco uma vida fácil, mas sim repleta de preocupações e temores: perturbou-se com as palavras que lhe foram dirigidas pelo Anjo e pôs-se a pensar no que significaria a semelhante saudação, aumentando, por conseguinte, a sua preocupação.

“Todavia, a cheia de graça viveu uma vida bela. Qual era o seu segredo? (…) Maria escutava Deus e falava com Ele na oração. A palavra de Deus era o seu segredo: próxima do seu coração, fez-se carne depois no seu ventre. Permanecendo com Deus, dialogando com Ele em todas as circunstâncias, Maria tornou  bela a sua vida. Não a aparência, não aquilo que passa, mas o coração voltado para Deus, torna bela a vida. Olhemos hoje com alegria à cheia de graça. Pedimos que nos ajude a permanecer jovens dizendo “não ao pecado e a viver uma vida bela, dizendo sim a Deus”.   

Após a recitação da oração mariana do Ângelus, Francisco agradeceu, de todo o coração, aos milhares de fiéis e peregrinos presentes na Praça de S. Pedro, especialmente as famílias e grupos paroquiais provenientes de diversas partes da Itália.

Esta tarde, disse o Papa, irei à Praça Espanha (em Roma), para renovar o tradicional acto de homenagem e de oração aos pés do monumento da Imaculada. Francisco pediu por isso à todas e todos, de se unirem espiritualmente com ele neste gesto que exprime a devoção filial à nossa Mãe celeste.

Finalmente, à todas e todos, Francisco augurou a continuação de uma boa festa da Imaculada e um bom caminho do Advento, recordando mais uma vez, que não se esqueçam de rezar por ele. Bom Almoço e até próxima, concluiu dizendo o Santo Padre. 

08/12/2017 13:02