Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Vaticano \ Atividades

O medo bloqueia. É preciso a coragem de emprender caminhos novos

Papa à janela do Palácio Apostólico para o Angelus

19/11/2017 15:56

Depois da Missa presidida por Francisco no altar papal, Missa em que participaram muitos pobres, o Papa apareceu ao meio dia à janela do Palácio Apostólico para a oração do Angelus. Deteve-se primeiramente sobre o Evangelho deste domingo, explicando-o com palavras simples aos fieis reunidos na Praça de São Pedro. Disse que a atitude do servo que enterrou o talento recebido, agiu com medo, mas o medo bloqueia e não leva a nada de construtivo, pois que paralisa, autodestrói. E convidou a reflectir sobre a nossa ideia de Deus, recordando que não é um patrão severo e intolerante, mas um Pai cheio de bondade, misericordioso, amorável. Devemos, portanto ter confiança n’Ele. E’ sempre terno especialmente com os pequenos, como aliás, recordamos neste Dia Mundial do Pobre.

Por isso a parábola dos talentos encoraja-nos a empreender caminhos novos e não a enterrar os talentos, assim seremos uteis aos outros e no fim dos tempos seremos convidados por Deus a tomar parte na Sua alegria. 

Seguiu-se a oração do Angelus, após a qual Francisco recordou que ontem em Detroit nos Estados Unidos foi proclamado Bem-aventurado Francesco Solano, sacerdote dos Frades Menores Capuchinhos. Humilde e fiel discípulo de Cristo, se distinguiu por um incansável serviço aos pobres. O seu testemunho ajude os sacerdotes, religiosos e leigos a viver com alegria a ligação entre anuncio do Evangelho e o amor aos pobres.

É isto que quisemos recordar na hodierna Jornada Mundial dos Pobres, que em Roma e nas dioceses do mundo se exprime através de tantas iniciativas de oração e de partilha. Desejo  - afirmou o Papa - que os pobres estejam no centro das nossas comunidades não só em momentos como este, mas sempre; porque eles são o coração do Evangelho, neles encontramos Jesus que nos fala e nos interpela através dos seus sofrimentos e necessidades.

O Papa recordou, de modo particular, as populações que vivem uma dolorosa pobreza devido a guerras e conflitos. E renovou à comunidade internacional um premente apelo a fazer todo o possível para favorecer a paz, de modo particular no Médio Oriente. E dirigiu um pensamento particular ao “caro povo do Líbano” afirmando que reza pela estabilidade no País, a fim de que possa continuar a ser uma “mensagem” de respeito e convivência para toda a região e para o mundo inteiro.

Francisco disse também que “reza pelos homens da tripulação do submarino militar argentino do qual não se têm notícias

E não passou desapercebido ao Papa, o Dia Mundial de Recordação das Vítimas de Acidentes rodoviários, que ocorre por iniciativa da ONU. Francisco encorajou as instituições públicas nas acções de prevenção e exortou os condutores à prudência e ao respeito das normas, como primeira forma de tutela de si mesmos e dos outros.

Por fim, saudou diversos grupos, famílias, paróquias e associações italianas e de estrangeiros, como os peregrinos da Republica Dominicana; os participantes eslovacos numa corrida de solidariedade em Roma, a comunidade do Equador residente em Roma e que está a festejar neste domingo Nossa Senhor do Quinche. De todos o Papa se despediu desejando bom domingo, bom almoço e pedindo que rezemos por ele.

(DA)

19/11/2017 15:56