Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Atividades

Não permanecer indiferentes perante a degradação ambiental

Papa Fraciscco recebendo na Sala Clementina os Líderes do Forum do Pacifico - AP

11/11/2017 15:25

O Papa Francisco recebeu neste sábado em audiência, na Sala Clementina,  46 líderes do “Secretariado do Fórum das Ilhas do Pacífico”. Nas palavras que lhe dirigiu, o Papa sublinhou que com a sua presença representam as diferentes realidades existentes nessa região tão rica de belezas culturais e naturais. Infelizmente – continuou – é uma região que suscita preocupações pois que as suas populações são vulneráveis aos fenómenos de mudanças climáticas que são frequentes e intensas. O Papa disse pensar também no elevado impacto da subida do nível da água do mar e no declínio da barreira coralina, ecossistema marinha de grande importância. A este respeito recordou a pergunta lançada há já cerca de 30 anos pelos bispos das Filipinas: “quem transformou as maravilhas do mundo marinho em cemitérios submarinos despidos de vida e cores?”. As causas disto são numerosos e muitas delas estão ligadas ao comportamento humano, à exploração dos recursos naturais e humanos, cujo impacto vai até ao fundo dos oceanos. Recordando depois que os problemas climáticos têm sido debatidos em vários fóruns, entre os quais a COP23 que está a decorrer estes dias em Bona, sob a presidência das ilhas Fidji, o Papa exprimiu este desejo:

“Formulo o desejo de que os trabalhos da COP-23, assim como as seguintes estejam à medida de ter sempre presente no espírito esta “Terra sem fronteiras, onde a atmosfera é extremamente fina e frágil” como a descrevia um astronauta actualmente na órbita na Estação espacial internacional, com os quais tive recentemente um diálogo interessante”.

O Papa recordou depois a necessidade de um tomada de “consciência mundial, de uma colaboração e uma solidariedade internacional, uma estratégia partilhada que não permite permanecer indiferente perante graves problemas como a degradação do ambiente natural e da saúde dos oceanos, ligada à degradação humana e social que vive a humanidade de hoje” .

As distancias geográficas e temporais – disse ainda Francisco no seu discurso em francês – são anuladas por um mundo onde tudo está interligado. Mas, trinta anos depois da pergunta dos bispos filipinos, não se pode dizer que a situação do ecossistema marinho tenha melhorado e o Papa lança então uma outra pergunta:

“Que género de mundo queremos deixar àqueles que nos sucedem, às crianças que crescem”

Esta questão, rematou Francisco, não diz respeito só ao ambiente, de forma isolada, mas da orientação geral do mundo que queremos deixar às gerações vindouras, do seu sentido, dos seus valores. 

(DA)

11/11/2017 15:25