Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ África

Somália. Novo ataque de al Shabaab em Mogadíscio

Após o ataque de sábado, 28, em Mogadíscio - EPA

30/10/2017 12:21

É de pelo menos 25 mortos e 30 feridos o balanço do ataque terrorista, no hotel Nasa-Hablod, em Mogadíscio, na Somália, que começou no sábado à tarde e terminou no domingo de manhã, na sequência da intervenção das forças de segurança da Somália. Na irrupção três milicianos foram mortos e outros dois foram capturados. As outras vítimas são em grande parte da polícia que guarnecia a instalação, mas também uma mulher e três crianças, entre as quais um recém-nascido, todos assassinados pelos jihadistas.

A acção começou no sábado (28/10) com a explosão de um carro-armadilhado conduzido por um kamikaze em frente do hotel, perto do palácio presidencial, frequentado por políticos, militares e civis. Havia uma reunião dos vértices da província no hotel, juntamente com funcionários da polícia e dos serviços secretos, para desenvolver uma estratégia comum contra o al Shabaab, que imediatamente reivindicou o novo ataque. Segundo fontes locais, o carro armadilhado foi seguido por duas explosões causadas por igual número de kamikazes para permitir a erupção no hotel.

Em seguida, os terroristas entraram na instalação e se barricaram no último andar, de onde lançaram granadas contra a polícia. E depois, na noite de sábado, 30 pessoas foram retiradas do hotel, incluindo um ministro. Outros permaneceram na estrutura durante o confronto entre as forças policiais e os militantes islâmicos. Suspeita-se que alguns terroristas possam ter fugido confundindo-se com os reféns libertados.

Este novo ataque ocorre apenas duas semanas após o ataque mais sangrento da história da Somália quando, aos 14 de outubro, um caminhão armadilhado explodiu numa rua movimentada da capital, diante de um hotel que tinha desabado, causando pelo menos 358 mortos, 228 feridos e cerca de cinquenta desaparecidos. Nos dias seguintes, o presidente somali Abdullahi Mohamed declarou o estado de guerra e realizou uma digressão procurando apoios para a reconquista dos territórios controlados por al Shabaab.

BS

30/10/2017 12:21