Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Outros Continentes

Líbano. Card. Béchara Rai: perigos com os refugiados

Cardeal Patriarca Béchara Boutros Rai

16/10/2017 09:41

Na passada segunda-feira dia 9 de outubro o Papa Francisco recebeu em audiência no Vaticano os patriarcas e arcebispos das Igrejas Orientais por ocasião do Centenário da Congregação das Igrejas Orientais. Por este motivo, Francisco celebrou uma Missa, na quinta-feira dia 12 de outubro, na Basílica de Santa Maria Maior em Roma.

Recorde-se que as Igrejas Orientais Católicas estão presentes sobretudo na Síria, no Líbano, no Iraque, na Turquia, no Egito, na Jordânia, na Arménia, na Ucrânia e ainda na Eritreia e na Etiópia.

Em particular, sobre a situação no Líbano falou à Rádio Vaticano o Patriarca de Antioquia dos Maronitas, o Cardeal Béchara Rai, que sublinhou o perigo que constitui, no médio prazo, a permanência no seu país de refugiados de origem islâmica: da Síria um milhão e setecentos mil e cerca de quinhentos mil palestinianos. Uma reportagem da jornalista Helene Destombes:

“Eu agradeci ao Santo Padre as suas posições a favor da paz, da cessação da guerra e dos refugiados. Mas disse também ao Santo Padre que é necessário que a sua voz, juntamente àquela de toda a Santa Sé, sejam escutadas de maneira cada vez mais forte com o objetivo de alcançar o fim da guerra e a fazer voltar todos os refugiados, porque é um seu direito – na qualidade de cidadãos – regressar à pátria e preservar a própria identidade cultural e civil. Depois referi o grande perigo que corre atualmente o Líbano, porque sofre a nível político, o grande conflito em curso no Médio Oriente entre Estados sunitas e xiitas, conflito que influi sobre todas as decisões nacionais.”

“Mas o grande perigo que temos pela frente é que recebemos um milhão e setecentos mil refugiados sírios, que se juntam a meio milhão de palestinianos: portanto mais de metade da população do Líbano. Humanamente, estamos solidários com eles. Todavia, isto constitui, com o andar do tempo, um grande perigo que ameaça o Líbano. Por conseguinte, é necessário que a guerra acabe, que a paz seja estabelecida e estas pessoas possam voltar para a sua pátria.”

Registe-se que foi oficialmente divulgado na passada quinta-feira dia 12 de outubro o mais recente relatório da Fundação AIS – Ajuda a Igreja que Sofre. Neste relatório é referido que no Médio Oriente existe violência contra os cristãos, em particular, na Síria e no Iraque, países onde a situação é particularmente grave.

(RS)

16/10/2017 09:41