Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Atividades

Papa nas Beatificações de Villavicencio: reconciliação não abstracta, é de todos

Missa das beatificações em Villavicencio - AFP

08/09/2017 16:43

O Papa Francisco iniciou o seu terceiro dia na Colômbia em Villavicencio, onde celebrou a Missa da memória litúrgica da Natividade da Virgem Maria, com a beatificação de Dom Jesús Emilio Jaramillo Monsalve, bispo de Arauca, e do sacerdote diocesano Padre Pedro María Ramírez Ramos.

Comentando a genealogia de Jesus narrada no Evangelho, o Papa sublinhou que não se trata de uma mera lista de nomes, mas de história viva, a história dum povo com o qual Deus caminhou e, ao fazer-Se um de nós, quis anunciar que, no seu sangue, corre a história de justos e pecadores, que a nossa salvação não é uma salvação asséptica, de laboratório, mas concreta, de vida que caminha:

“Esta longa lista diz-nos que somos uma pequena parte duma longa história e ajuda-nos a não pretender protagonismos excessivos, ajuda-nos a fugir da tentação de espiritualismos evasivos, a não abstrair das coordenadas históricas concretas em que nos cabe viver. E também integra, na nossa história de salvação, aquelas páginas mais obscuras ou tristes, os momentos de desolação e abandono comparáveis ao exílio”.

A menção das mulheres na genealogia – observou o Papa – diz-nos que são elas que anunciam que, pelas veias de Jesus, corre sangue pagão, que recordam histórias de marginalização e sujeição. Em comunidades onde ainda se arrastam estilos patriarcais e machistas, é bom anunciar que o Evangelho começa por salientar mulheres que criaram tendência e fizeram história – disse Francisco, ressaltando o lugar privilegiado de Jesus, Maria e José na história:

“Maria, com o seu «sim» generoso, permitiu que Deus cuidasse desta história. José, homem justo, não deixou que o orgulho, as paixões e os ciúmes o lançassem fora desta luz (…) e hoje, neste mundo onde é patente a violência psicológica, verbal e física contra a mulher, José apresenta-se como figura de homem respeitoso, delicado que, mesmo não dispondo de todas as informações, se decide pela honra, dignidade e vida de Maria”.

Em seguida Francisco falou da Colômbia como povo de Deus, pois também aqui – disse - podemos fazer genealogias cheias de histórias: muitas, cheias de amor e de luz; outras, de conflitos, ofensas, inclusive de morte. E o Papa recordou as várias experiências de exílio e desolação, das muitas mulheres que, em silêncio, perseveraram sozinhas e dos numerosos homens de bem que procuraram pôr de lado amarguras e rancores, querendo combinar justiça e bondade. Que fazer, então, para deixar entrar a luz e quais são os caminhos de reconciliação, se perguntou Francisco:

“Como Maria, dizer «sim» à história completa, e não apenas a uma parte; como José, pôr de lado paixões e orgulho; como Jesus Cristo, cuidar, assumir, abraçar esta história, porque nela vos encontrais vós, todos os colombianos, nela está aquilo que somos... e o que Deus pode fazer connosco se dissermos «sim» à verdade, à bondade, à reconciliação. E isto só é possível, se enchermos com a luz do Evangelho as nossas histórias de pecado, violência e conflito”.

A reconciliação não é uma palavra abstrata; se assim fosse, traria apenas esterilidade; antes, distância; reconciliar-se é abrir uma porta a todas e cada uma das pessoas que viveram a realidade dramática do conflito, disse ainda Francisco, reiterando que quando as vítimas vencem a tentação compreensível da vingança, elas se tornam nos protagonistas mais credíveis dos processos de construção da paz. É preciso que alguns tenham a coragem de dar o primeiro passo nesta direcção, sem esperar que o façam os outros; basta uma pessoa boa, para que haja esperança, e cada um de nós pode ser esta pessoa – rematou o Papa.

A reconciliação, portanto, concretiza-se e consolida-se com a contribuição de todos, permite construir o futuro e faz crescer a esperança, insistiu o Papa, e qualquer esforço de paz sem um compromisso sincero de reconciliação será um fracasso.

Em S. Mateus Jesus promete «Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos». Esta promessa, disse o Papa a terminar, realiza-se também na Colômbia porque o Bispo D. Jesús Emilio Jaramillo Monsalve e o sacerdote Pedro Maria Ramírez Ramos, mártir de Armero, são sinal e expressão dum povo que quer sair do pântano da violência e do rancor.

Cabe a nós dizer «sim» à reconciliação e, neste «sim», incluamos também a natureza; cabe-nos dizer «sim» como Maria e cantar com Ela as «maravilhas do Senhor», porque Ele ajuda a todos os povos e a cada povo, ajuda a Colômbia que hoje quer reconciliar-se e à sua descendência para sempre – concluiu Francisco. (BS)

08/09/2017 16:43