Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ África

Serra Leoa: mais de 300 mortos por deslizamento de terra e inundações

Chuvas e inundações em Freetown, Serra Leoa - AFP

15/08/2017 11:24

A Serra Leoa foi abatida esta segunda-feira (14/08) com a violência da chuva: as inundações transformaram as estradas em rios de lama que submergiram pelo menos três centenas de pessoas, entre as quais sessenta crianças. As fortes chuvas que atingiram aquele País da África Ocidental literalmente derrubaram a colina da capital, Freetown, engolindo as casas e os seus habitantes.

A televisão estatal interrompeu a programação difundindo imagens apocalípticas com homens e mulheres esforçando-se a cavar na lama para encontrar os seus parentes, enquanto a cidade se parece com um cemitério a céu aberto. 'É provável que centenas de pessoas estejam enterradas por baixo dos escombros", disse o vice-presidente da Serra Leoa Victor Foh. "Perdemos tudo e temos um lugar para dormir", disse aos órgãos de informação uma mulher desconsolada, que conseguiu pôr-se juntamente com o marido e os três filhos subindo no telhado, antes que a sua casa fosse submergida pela água.

Muitos acusam o descuido humano: a tragédia teria sido causada pelo desflorestamento e rápida construção de casas. Freetown, uma cidade costeira com 1,2 milhões de habitantes, é regularmente afectada por inundações durante os meses de chuva, que destroem assentamentos improvisados, e o contacto com a água pútrida provoca a propagação de doenças como a cólera. Além disso, muitas das áreas mais pobres estão perto do nível do mar e têm um sistema de drenagem deficiente, e assim o efeito das inundações é ainda mais devastador.

As inundações são apenas uma das pragas que afligem a Serra Leoa: em 2014 o País foi um dos mais atingidos pelo vírus Ebola na África Ocidental, e que custou a vida a mais de quatro mil pessoas. Um desastre que ajudou a afundar uma economia entre as mais frágeis do mundo, onde cerca de sessenta por cento da população vive abaixo da linha de pobreza, segundo as estimativas das Nações Unidas. (BS)

15/08/2017 11:24