Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Mondo em geral

Difusão da História da África e dos Afro-brasileiros no Brasil

Instrumentos pedagógicos para a transmissão da História da África e dos Afro-brasileiros no Brasil - RV

08/08/2017 12:04

Falamos já aqui na rubrica "Decada dos Afrodescendentes" do Cais do Valongo, porta de entrada, no Rio de Janeiro,  de milhares e milhares de africanos levados para a América do Sul como escravos. Construído em 1811, esse cais sofreu, ao longo dos tempos, várias transformações, até ser completamente aterrado em 1911. Virá a ser revelado em 2011 e, a 9 de passado mês de Julho, foi proclamado pela UNESCO, Património Mundial da Humanidade. Uma forma de preservar a memória do Tráfico Transatlântico de africanos e da escravidão e fazer com que essa tragédia humana não volte mais a acontecer.

**

A preservação do Sítio Arqueológico, Cais do Valongo, e o seu aproveitamento para actividades educativas é da competência da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro – disse-nos Rebeca Otero, Coordenadora interina da Cultura da UNESCO/Brasil. Mas, a UNESCO – acrescentou Rebeca – vai colaborar com o Município numa série de actividades viradas para a sensibilização sobre a história, a cultura e a situação de vida dos afrodescendentes. Sensibilizar neste sentido é, de facto, um dos objectivos da Década Internacional dos Afrodescendentes estabelecida pela ONU e que vai de 2015 a 2024.

Uma dessas actividades em que a UNESCO/Brasil vai colaborar com o Município do Rio é a construção, nas proximidades do Sítio Arqueológico, Cais do Valongo, de um Museu da Escravidão e da Libertação. Além disso – recorda Rebeca Otero - a UNESCO colaborará na elaboração de uma série de materiais didácticos para o ensino da História da África e Afro-brasileira nas escolas, ensino que se tornou obrigatório com a Lei, 10.639 de 2003.

A propósito da História Geral da África, é importante recordar que em 1964, a UNESCO dava inicio à imensa tarefa de contar a história da África na perspectiva dos próprios africanos. 30 anos depois, esse trabalho de centenas de cientistas, na sua maioria africanos, dava origem a uma colecção de 8 volumes editados em inglês, francês e árabe. Agora está em curso a elaboração de um nono volume que incluirá a descolonização, o fim do Apartheid e a diáspora. Sendo o Brasil o país com a maior diáspora africana no mundo, para além de ter traduzido para o português os 8 precedentes volumes, está agora amplamente envolvido na elaboração deste nono volume da História Geral da África:

Os esforços do Brasil em ampla escala e por etapas na elaboração de instrumentos pedagógicos  sobre a história da África e dos afro-brasileiros. Um esforço que vai de encontro aos objectivos da Década Internacional dos Afrodescendentes (2015-2024) que são, antes de mais, sensibilizar sobre a realidade passada e presente dos afrodescendentes no mundo. E um contributo valioso para esta acção de sensibilização é a revelação e a recente proclamação do Cais do Valongo como Património Mundial da Humanidade. Foi um acto da UNESCO no passado dia 9 de Julho, dia em que foi também incluída nessa lista da Organização das Nações Unidas para a Educação e a Cultura, a cidade angolana de Mbanza Kongo, um local que não é de todo estranho à questão do Tráfico Transatlântico de africanos, na medida em que do contacto bem intencionado desse Reino com os portugueses surgiu, infelizmente, a escravatura, iniciada por estes últimos. Pode-se então pensar nalguma actividade conjunta que envolva essas duas realidades: o Cais do Valongo e Mbanza Congo? Rebeca Otero afirma que até agora não se pensou nisso, mas que não é de excluir, tanto mais que Angola é um país de língua portuguesa: 

Rebeca Otero, Coordenadora interina da Cultura da UNESCO/Brasil que nos falava telefonicamente de Brasília para a rubrica "Decada dos Afrodescendentes" que pode ouvir, no conjunto, clicando em baixo.

 

Oiça a emissão precedente sobre a revelação e inclusão do Cais do Valongo na lista de Património Mundial da Humanidade pela UNESCO, clicando no link em baixo. 

http://pt.radiovaticana.va/news/2017/08/01/s%C3%ADtio__arqueol%C3%B3gico_cais_do_valongo__escravid%C3%A3o_no_brasil/1328185

(DA)

 

08/08/2017 12:04