Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Atividades

Papa: criminoso habituar-se ao tráfico de pessoas, flagelo aberrante

Marcha de mulheres na Nigéria contra violência, tráfico humano e abuso de menores - AFP

30/07/2017 15:43

Dia Internacional contra o tráfico de seres humanos. O Papa lançou um forte apelo para a luta comum contra este flagelo aberrante, uma forma de escravidão moderna à qual é criminoso habituar-se.

Neste Dia Internacional promovido pelas Nações Unidas contra o tráfico de seres humanos e em que se vêem iniciativas e vigílias de oração em todo o mundo, eleva-se com força a voz do Papa, no fim da oração do Angelus, com um apelo para que todos combatam com empenho adequado "este flagelo aberrante", esta forma de "escravidão moderna". "É feio, cruel e criminoso", afirma Francisco, habituar-se quase a  considerar uma 'coisa normal' as milhares de vítimas inocentes em cada ano da exploração laboral e sexual e do tráfico de órgãos. "O Pontífice confiou estas vítimas ao sustento da Virgem Maria a quem pediu para "converter o coração dos traficantes”

Oiça aqui as palavras do Papa Francisco durante o Angelus:

 

Também os dados deixam claro como o fenómeno é vergonhoso: estão envolvidas entre 21 e 35 milhões de pessoas, principalmente mulheres e crianças. Uma vítima em cada quatro é, de facto, um menor, segundo um relatório da Save The Children, e as principais formas de exploração perpetradas pelos traficantes são a prostituição e o trabalho escravo, mas não faltam as novas formas de escravidão, como a ‘barriga de aluguer’ e os casamentos arranjados. De um "crime terrível e inaceitável que reaparece periodicamente na história da humanidade” e desafia as nossas consciências” falou também o presidente italiano Mattarella num comunicado, salientando a necessidade de uma luta forte e uma 'visão de conjunto' para além da promoção da cooperação e do desenvolvimento "para eliminar a extrema pobreza que leva a confiar em organizações criminosas sem escrúpulos”. (BS)

30/07/2017 15:43