Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ África

República Centro-Africana: Civis em fuga de Bangassou, atacada a Catedral

Ajuda à população deslocada em Bangassou, sul da RCA - AFP

25/07/2017 16:49

"Metade da população de Bangassou fugiu, refugiando-se na vizinha República Democrática do Congo. Os confrontos continuam há já vários dias", diz à Agência Fides Dom Juan José Aguirre Munos, Bispo de Bangassou, no sul da República Centro-Africana. A Cidade está há meses no centro de assaltos pelos chamados anti Balaka visando a parte muçulmana da sua população.

Dois mil muçulmanos acolhidos no pátio da Catedral
"Dois mil muçulmanos estão acomodados no recinto da catedral protegidos pelos militares marroquinos da Minusca (Missão das Nações Unidas na RCA)", diz Dom Aguirre. "Mas os anti Balaka estão alastrados em Bangassou, atingindo os muçulmanos em todos os modos, procurando matá-los, e impedindo-lhes de se procurarem alimento, água e lenha para cozinhar. Os confrontos são contínuos e causas mortes de um lado e do outro”.

Episódios gravíssimos de violência: morto um Capacete Azul marroquino da Minusca

"Esta manhã dois anti Balaka tentaram entrar no campo de refugiados, mas foram repelidos pela Minusca e um deles foi morto", informa Dom Aguirre. No último fim de semana houve confrontos e episódios gravíssimos de violência, que levou à morte também um Capacete Azul marroquino.

Atacada a Catedral, que sofreu graves danos materiais
"Tudo começou na sexta-feira 21 julho, quando os anti Balaka sequestraram uma jovem muçulmana grávida", diz Dom Aguirre. "Em resposta ao sequestro, uns quinze jovens muçulmanos extremistas sequestraram dois trabalhadores humanitários da Caritas com as suas famílias, cerca de trinta pessoas. A Minusca reagiu libertando estas pessoas. O grupo respondeu atacando a Catedral, que sofreu graves danos materiais, tentando incendiá-la. Felizmente eles não tiveram êxito”.

A violência cria pânico entre a população
"A Minusca procura controlar a situação enviando patrulhas nas ruas que disparam tiros de advertência para o ar, mas que também provocam pânico entre a população; algumas pessoas morreram de ataque cardíaco, enquanto outras ficaram feridos por tiros vagantes", informa o Bispo. A Minusca disse num comunicado que tudo fará para capturar este grupo de jovens radicais que está pondo em perigo o resto da comunidade muçulmana. (BS)

25/07/2017 16:49