Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Outros Continentes

Bispos alemães exprimem condolências pela morte de Kohl

- EPA

17/06/2017 15:33

Alemanha (RV)- “A Igreja na Alemanha é grata pelo testemunho cristão de Helmut Kohl. Em todas as partes do mundo por onde eram lesados os valores duma sociedade livre, ele se empenhava por forma a que estes valores fossem respeitados. Queria e sabia manifestar na Europa as suas convicções cristãs”. É quanto escreve o Presidente da Conferência Episcopal da Alemanha, o Cardeal Reinhard Marx, na sua mensagem de condolências pela morte, ontem dia 16 de Junho de 2017, do ex Chanceler alemão, Helmut Kohl.

Entre as suas prioridades, acrescenta o purpurado na mensagem, figura a de “trabalhar para uma economia social de mercado fundada na doutrina social da Igreja”. O Chanceler Kohl, observa o Cardeal, foi um hóspede regular dos Katholikentag. À coragem e à perseverança ele soube combinar também a força visionária, manifesta na “grande capacidade demonstrada no momento de negociar a unidade alemã”.

Ao mesmo tempo, recorda ainda a nota, Kohl foi o chanceler da ideia europeia e desempenhou um papel preponderante e decisivo para o desenvolvimento de uma Europa unida e sem fronteiras”. Kohl que assumiu um papel central também na elaboração do Tratado de Maastricht, tinha várias vezes sublinhado com força que a “Alemanha e a Europa são duas faces da mesma medalha”, recorda ainda o Purpurado alemão.

Na mensagem de condolências o Cardeal Marx faz menção também dos encontros de Kohl com o Papa João Paulo II, durante a sua visita apostólica na Alemanha em 1987 e em 1996, quando juntos atravessaram a porta de Brandeburgo. Na ocasião, Helmut Kohl tinha dito que a “Liberdade significa sempre também responsabilidade, caso contrário se transforma em novas formas de dependência. Por sua vez, a responsabilidade vivida necessita de coerência com a própria consciência, perante o próximo e sobretudo perante Deus.

Neste sentido Kohl tinha sublinhado em 1996, diante da Porta de Branderburgo, que a voz das Igrejas cristãs é indispensável também numa sociedade cada vez mais secularizada. A Boa Nova de Cristo é uma fonte de força; dá orientação e sustento às pessoas. O dever cristão e o dever civil, são por isso inseparáveis. Isto vale sobretudo para a construção duma Europa unida, disse o Chanceler Kohl.

A Igreja católica na Alemha, concluiu dizendo o Cardeal Reinhard Marx na mensagem de condolências,inclina-se com dor, louvor e gratidão” diante desta personalidade cujas acções foram sempre profundamente marcadas pela concepção cristã do ser humano, algo que lhe deu sempre tanta força no seu trabalho”.

 

17/06/2017 15:33