Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ África

Década dos afrodescendentes (2015-2024) Plano de acção no Brasil

O Comércio triangular de seres humanos na origem da afro-descendencia hoje pelo mundo fora. A ela a ONU dedica a década 2015-2014 - RV

08/06/2017 16:11

As pessoas de ascendência africana no mundo continuam a sofrer das desigualdades e preconceitos herdados da escravatura e do colonialismo. 

Esta constatação levou a ONU a declarar, a partir de 2015, uma Década Internacional das Pessoas de Ascendência Africana. Até 2024, portanto, os Estados membros vão envidar esforços no sentido de erradicar as injustiças sociais herdadas da história e lutar contra o racismo, os preconceitos e as discriminações raciais de que os descendentes de africanos são ainda vítimas. 

O tema da Década é, de facto, "Reconhecimento, Justiça e Desenvolvimento". 

Espera-se também que esta Década contribua amplamente para dar a conhecer, valorizar, apreciar e respeitar as mais importantes realizações das pessoas de ascendência africana e o seu contributo ao desenvolvimento económico, social, cultural, intelectual e étnico de toda a humanidade. 

O programa de actividades traçado para o Decénio prevê acções a nível internacional, regional, nacional e  local. 

A esta Década, a Rádio Vaticano, Emissão em português para África passa a dedicar, a partir deste mês de Junho,  algum espaço todas as segundas-feiras. 

Começamos pelo Brasil, um dos países do mundo com uma grande percentagem de descendentes da África. E é um país com uma desigualdade racial estruturantes - diz a Drª Ana Carolina Querino, Gerente dos Programas da ONU Mulheres e integrante do Grupo Assessor de Género, Raça e  Etnia da ONU/Brasil. Ela traça um quadro da situação dos afrodescendentes no país e fala do Plano de Acção que o país tem para esta Década. 

Oiça aqui: 

08/06/2017 16:11