Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ África

Kizomba, uma expressão cultural angolana presente também em Roma

Bárbara e Pacavira numa performance dançante - RV

15/05/2017 13:26

A música e dança angolanas “Kizomba” está a difundir-se pela Europa. Em Itália a primeira escola de Kizomba foi criada em 2012 pela Associação intercultural “Kizomba Romana”. Os seus objectivos vão para além da diversão e lazer; preocupa-se sobretudo com a difusão da realidade sociocultural angolana que está por detrás da Kizomba. Para além da escola, a Associação organiza também eventos, como o “Festival de Kizomba” que vai ter a sua 4ª edição em Outubro próximo na capital italiana.

Surgida nos anos 80 em Angola como dança familiar, a Kizomba foi-se difundindo e evoluindo, sendo hoje uma das formas de expressão cultural angolana no mundo, envolvendo sobretudo os jovens.

Em entrevista à emissão “África em clave feminina -música e arte”, Bárbara Barros (ítalo-brasileira) fundadora, juntamente com o angolano David Pacavira e outros, de “Kizomba Romana”, explica a origem, evolução, significado e riqueza desta dança elegante que favorece, a seu ver, a sociabilidade, a conexão entre as pessoas, fazendo das diferenças um ponto de força para a integração neste mundo globalizado em que muitas vezes se tem medo do outro.

Se por um lado, as mulheres no mundo da Kizomba, não são muitas, por outro, há a chamada “Jinga Dama” em que a mulher pode exprimir por si própria (sem a condução do homem) a sua feminilidade, ultrapassar a timidez e recuperar a integridade psíquica em situações difíceis como pode ser a perda dos seios devido ao câncer da mama…

Oiça a envolvente conversa entre a Barbara e Dulce Araújo e aprecie algumas notas da música kizomba. 

15/05/2017 13:26