Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Celebrações

Fora do caminho da obediência ao Pai, não somos cristãos

- AFP

27/04/2017 15:18

Cidade do Vaticano (RV) –  O cristão é testemunha da obediência, e a consequência disto, são as perseguições. Foi o que afirmou o Papa Francisco na Missa celebrada na manhã de hoje, quinta-feira, dia 27 de Abril de 2017, na Capela da Casa Santa Marta, fazendo alusão ao que disse Pedro na leitura dos Atos dos Apóstolos, de que “é preciso obedecer a Deus antes que aos homens”.

Pedro, de fato, deu esta resposta quando foi levado junto com os apóstolos diante do Sinédrio, após terem sido libertados da prisão por um anjo. Tinham sido proibidos de ensinar em nome de Jesus – como os recordara o sumo sacerdote – mas eles encheram multidões em Jerusalém com os seus ensinamentos.

A homilia do Papa Francisco parte deste episódio narrado na primeira leitura, extraída dos Atos dos Apóstolos. Para fazer compreender este acontecimento, o Papa fez referência também ao que foi narrado anteriormente pelos Atos, nos primeiros meses da Igreja, quando a comunidade crescia e aconteciam tantos milagres.

Havia a fé do povo, mas havia alguns “espertalhões” – disse o Papa – “que queriam fazer carreira”, como Ananias e Safira.

O mesmo acontece hoje – recordou Francisco – assim como o desprezo das pessoas ao ver os doentes serem levados até os apóstolos. Assim, cheios de inveja, os chefes pegaram os apóstolos e os colocaram na prisão. Pedro, que por medo havia traído Jesus na Quinta-feira Santa, desta vez, corajoso, responde “que é necessário obedecer a Deus antes que aos homens”.

Uma resposta que faz portanto entender que “o cristão é testemunha da obediência”, como Jesus que se aniquilou no Jardim das Oliveiras e disse ao Pai: “Faça-se segundo a tua vontade, não a minha”:

O cristão, prosseguiu o Santo Padre, é uma testemunha da obediência e se nós não estamos neste caminho de crescer no testemunho da obediência, não somos cristãos. Pelo menos caminhar por esta estrada: testemunha de obediência. Como Jesus. Não é testemunha de uma ideia, de uma filosofia, de uma empresa, de um banco, de um poder, é testemunha de obediência. Como Jesus.

Mas tornar-se testemunha de obediência” é “uma graça do Espírito Santo” disse ainda o Papa lembrando que “somente o Espírito pode nos fazer testemunhas de obediência. “Não, eu vou naquele mestre espiritual, eu leio este livro...”. Tudo está bem, mas somente o Espírito pode transformar o nosso coração e pode fazer-nos a todos testemunhas de obediência. É uma obra do Espírito e devemos pedir a ele, é uma graça a ser pedida: “Pai, Senhor Jesus, envia-me o teu Espírito para que eu me torne uma testemunha de obediência”, isso é ser um cristão”.

Ser testemunha de obediência acarreta consequências, como narrado pela primeira leitura: depois da resposta de Pedro, queriam de fato levá-lo a morte: “As consequências do testemunho de obediência, relevou Francisco, são as perseguições. Quando Jesus enumera as Bem-aventuranças termina com: “Bem-aventurados quando vos perseguirem e insultarem”. A cruz não pode ser tirada da vida do cristão. A vida de um cristão não é um status social, não é um modo de viver uma espiritualidade que me faça bem, que me faça um pouco melhor. Isto não basta. A vida de um cristão é o testemunho em obediência e a vida de um cristão é repleta de calúnias, boatos e perseguições”.

Para ser testemunhas de obediência como Jesus – conclui dizendo o Papa – é preciso rezar, reconhecer-se pecadores, com tantas “mundanidades” no coração e pedir a Deus “a graça de tornar-se um testemunho de obediência” e de não amedrontar-se quando chegam as perseguições, “as calúnias”, pois o Senhor garantiu que quando formos levados diante do juiz, “será o Espírito a nos dizer o que responder”.

 

27/04/2017 15:18