Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ África

África do Sul. Bispos: Presidente Zuma considere hipóteses de demissão

D. Stephen Brislin, Arcebispo da Cidade do Cabo, África do Sul

11/04/2017 17:55

Leve-se a crise política ao Parlamento para preservar a democracia e a paz social, pedem os Bispos da África do Sul, numa mensagem assinada por Dom Stephen Brislin, Arcebispo da Cidade do Cabo e Presidente da Conferência Episcopal dos Bispos Católicos da África do Sul, publicada no dia 4 de abril.

A remodelação governamental operada pelo Presidente Jacob Zuma, que viu a substituição do Ministro das Finanças Pravin Gordhan, com Malusi Gigaba, está a criar fortíssimos protestos no País. "Neste estado de ansiedade e incerteza é da maior importância que o Parlamento seja convocado com urgência", afirmavam os Bispos sul-africanos no documento recebido pela Agência Fides.

Os Bispos recordam que é tarefa do Parlamento monitorizar as acções do governo e exprimem a esperança de que os deputados "sejam guiados pelo bem do País e da população, e não por restringidas lealdades ou interesses de parte”.

Na África do Sul de muitos quadrantes chegam pedidos de demissão de Zuma. "Enquanto tomamos nota e respeitamos os apelos para a demissão do Presidente, um passo desse tipo, só por si, não é a solução completa, porque é necessário erradicar a corrupção em todos os níveis", afirma a mensagem que também pede ao Congresso Nacional Africano, o partido no poder, para "fazer sérios esforços para acabar com a corrupção e as recomendações em todos os níveis do governo". Em todo caso, os Bispos pedem ao Presidente Zuma "para reconsiderar seriamente a própria posição e de não ter medo de agir com coragem e humildade no melhor interesse da nação”.

No dia 7 de abril, foi organizada uma marcha de protesto em toda a África do Sul. Notando que se intensificaram as vozes incontroladas sobre possíveis violências, os Bispos reiteram que demonstrar pacificamente é um direito e que "é essencial que as pessoas possam fazer ouvir a sua voz.

11/04/2017 17:55