Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Atividades

Semana do Papa de 20 a 26 de março

Papa Francisco com Chefes de Estado e Governo da União Europeia - AFP

27/03/2017 12:38

Nesta “Semana do Papa” destaque para audiência geral, o discurso por ocasião dos 60 anos da Comunidade Europeia, a visita a Milão e o Angelus do IV Domingo da Quaresma.

Semeadores de esperança

Na quarta-feira dia 22 de março na audiência geral o Papa propôs mais uma catequese sobre a esperança cristã partindo do capítulo 15 da epístola de S. Paulo aos Romanos. Francisco destacou duas atitudes importantes para a vida e para a nossa experiência de fé: a perseverança e a consolação.

Em particular, o Santo Padre afirmou que “quem experimenta na própria vida o amor fiel de Deus e a sua consolação (…) tem o dever de ficar próximo dos irmãos mais fracos carregando as suas fragilidades. E pode fazê-lo tornando-se, concretamente, um ‘semeador’ de esperança.”

Jacinta e Francisco de Fátima serão santos

Na quinta-feira dia 23 de março a Santa Sé informou que o Papa Francisco aprovou a canonização dos pastorinhos de Fátima Francisco e Jacinta. Grande emoção para os milhões de devotos de Nossa Senhora de Fátima na feliz coincidência do Centenário das Aparições de 1917.

O bispo da Diocese de Leiria-Fátima, manifestou em conferência de imprensa a sua “enorme satisfação com a aprovação pelo Papa do milagre necessário para a canonização dos Beatos Francisco Marto e Jacinta Marto” – informa a Agência Ecclesia. D. António Marto disse ter sentido uma “alegria enorme” e admitiu na ocasião que a canonização pode vir a acontecer a 13 de maio, durante a viagem do Papa a Fátima.

Os dois irmãos pastorinhos viram a Virgem Maria na Cova da Iria entre os meses de maio e outubro de 1917. Francisco nasceu em 1908 e faleceu em 1919 e Jacinta nasceu em 1910 e faleceu em 1920.

Solidariedade é esperança da Europa

Na sexta-feira dia 24 de março o Papa Francisco recebeu em audiência na Sala Régia no Vaticano os 27 Chefes de Estado e de Governo da União Europeia por ocasião do 60° aniversário do Tratado de Roma assinado no dia 25 de março de 1957 e que constituiu a Comunidade Económica Europeia que mais tarde seria evoluiria para uma figura de maior integração: a atual União Europeia.

Em representação de Portugal esteve o primeiro-ministro António Costa. Destaque para as presenças institucionais mais relevantes da União: Antonio Tajani, presidente do Parlamento Europeu, Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu e Jean-Claude Junker, presidente da Comissão Europeia.

 O Santo Padre recordou os pais fundadores da Comunidade Europeia, sublinhou o espírito de família e reafirmou que “o primeiro elemento da vitalidade europeia é a solidariedade” e apresentou-a como a esperança da Europa, assim como, o desenvolvimento e a paz:

“A solidariedade não é somente um bom propósito: é caracterizada por fatos e gestos concretos, que aproximam ao próximo, em qualquer condição este se encontre. Ao contrário, os populismos nascem precisamente do egoísmo, que fecha em um círculo restrito e sufocante e que não permite de superar o limite dos próprios pensamentos e "olhar além". É preciso recomeçar a pensar de modo europeu, para esconjurar o perigo oposto de uma cinzenta uniformidade, ou mesmo o triunfo dos particularismos.”

“O desenvolvimento é o novo nome da paz", afirmava Paulo VI, pois não existe verdadeira paz quando existem pessoas marginalizadas ou obrigadas a viver na miséria. Não existe paz onde falta trabalho ou a perspetiva de um salário digno. Não existe paz nas periferias das nossas cidades, nas quais se dissemina droga e violência.” 

Papa em Milão: testemunhar para transmitir a fé

No sábado dia 25 de março o Papa realizou uma viagem em território italiano visitando a diocese de Milão. Começou a partir da periferia no bairro das Casas Brancas, uma zona marginalizada; aos sacerdotes e consagrados o Papa disse que a Igreja não deve temer os desafios; depois almoçou e conviveu com os reclusos do Estabelecimento Prisional de San Vittore e na Missa em Monza, perante centenas de milhares de fiéis, Francisco criticou uma sociedade que especula sobre os pobres, a família, o trabalho e a vida reduzindo tudo “a números”.

No final do dia, no Estádio San Siro, um grande encontro com os jovens crismados e crismandos daquela diocese num momento pleno de festa, cor, testemunhos e alegria. Presentes famílias, catequistas e tantos outros fiéis num estádio lotado com cerca de 80 mil pessoas. O Santo Padre respondeu a algumas perguntas feitas por um jovem crismando, por um casal e por uma catequista.

Destaque para o valor dado pelo Santo Padre ao testemunho dos pais e dos adultos para cuidarem da alegria e da esperança dos seus filhos. Francisco disse que quando um casal se zanga são os filhos que sofrem e não crescem na fé e sublinhou que a melhor atitude dos pais deve ser a da confiança:

“Mostrar-lhes como a fé nos ajuda a seguir em frente, a enfrentar os tantos dramas que temos, não com uma atitude pessimista, mas confiante, este é o melhor testemunho que podemos dar-lhes” – disse o Papa.

Francisco recordou ainda aos pais a importância de irem à missa em família e do convívio com outras famílias sem esquecer que a educação dos filhos deve ser orientada para a solidariedade e para as obras de misericórdia. Destaque muito especial para o alerta do Papa aos jovens em relação ao “bullying”:

“ Na vossa escola no vosso bairro, há alguém a quem gozais porque tem um defeito, porque é gordo, ou magro, por isto ou por aquilo? Pensai! E vós gostais de fazê-lo passar vergonha batendo-lhe por isso? Pensai! Isto chama-se bullying. Por favor, para o Sacramento do Santo Crisma, fazei a promessa ao Senhor de nunca fazer isto e nunca permitir que se faça no vosso colégio, na vossa escola, no vosso bairro. Entendido?” – alertou Francisco.

Viver como filhos da luz

No Angelus do IV Domingo da Quaresma o Papa referiu-se à passagem do Evangelho que narra a cura do cego de nascença. O Santo Padre afirmou que com este milagre Jesus manifesta-se “como luz do mundo” e, assim, “também nós, a partir da nossa pobreza”, podemos ser nesta Quaresma “portadores de um raio da luz de Cristo” na vida dos outros comportando-nos como “filhos da luz” vivendo a escolha firme e decidida assumida no nosso Batismo – disse Francisco na sua reflexão dirigida aos milhares de fiéis reunidos na Praça S. Pedro neste domingo dia 26 de março.

E com o Angelus deste IV Domingo da Quaresma terminamos esta síntese das principais atividades do Santo Padre que foram notícia de 20 a 26 de março. Esta rubrica regressa na próxima semana sempre aqui na RV em língua portuguesa.

(RS)

27/03/2017 12:38