Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

App:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Igreja \ Outros Continentes

Património religioso na Europa “mais desprotegido e vulnerável”

José António Falcão - Foto: Arlindo Homem - RV

16/03/2017 10:08

O alerta é do 1º português a presidir à Comissão Internacional de Arte Sacra, instituição que congrega os principais museus e monumentos religiosos europeus.

Conservador de museus, José António Falcão é técnico superior do Ministério da Cultura e está à frente, desde 1984, do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja.

Para aquele especialista, que está no seu 1º ano de mandato à frente daquele organismo europeu, é essencial fazer “a ponte entre os vários interesses” e combater em conjunto alguns fantasmas, como “o fantasma da intolerância religiosa e da secularização da sociedade”.

É fundamental “fomentar a investigação cientifica e traduzir os resultados do conhecimento em politicas públicas alargadas a toda a sociedade a favor das três grandes religiões monoteístas, judaísmo, cristianismo e do Islão”, diz José António Falcão ao nosso correspondente Domingos Pinto.

“Não podemos continuar confortavelmente sentados no nosso sofá a fazer as rotinas habituais”, sublinha ainda o professor universitário que pede uma maior atenção à inventariação do património que “não está suficientemente protegido e mais vulnerável”.

Já em relação a Portugal, José António Falcão diz que falta “uma estratégia organizacional e suficientemente esclarecida para enfrentar estes problemas “ligados ao património.

16/03/2017 10:08