Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

App:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Vaticano \ Atividades

Os apoios do Papa para o Sahel contra a desertificação

Região desértica do Sahel

21/02/2017 15:22

Tem lugar de 21 a 25 de fevereiro em Dacar, Senegal, o encontro anual do Conselho de Administração da Fundação João Paulo II para o Sahel a qual, confiada pelo Santo Pontífice desde a sua criação em 1984 ao Pontifício Conselho Cor Unum, agora faz parte das competências do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano  Integral. Deste Conselho de Administração participará o vice-secretário do Dicastério, Dom Giampietro Dal Toso, como observador da Santa Sé; está prevista a visita do Núncio apostólico no Senegal, Dom Michael Wallace Banach. Durante o encontro, serão examinados os projectos à espera de serem financiados; os projectos financiados em 2016 foram 43 em 6 Países, com um orçamento total de cerca de 550 mil dólares; até 2015 foram aproximadamente 3.200, para um total de mais de 37 milhões de dólares.

Com a colaboração, em particular, da Conferência Episcopal Italiana, da Conferência Episcopal Alemã e da Igreja local, a Fundação realiza, em nome do Santo Padre, projectos contra a desertificação e para a gestão e desenvolvimento das unidades agrícolas para estruturas de bombagem de água, para a melhoria da água potável e para as energias renováveis, em favor das comunidades dos países membros (Burkina Faso, Cabo Verde, Chade, Gâmbia, Guiné-Bissau, Mali, Mauritânia, Níger e Senegal). A Fundação também está envolvida na formação do pessoal técnico qualificado. Ao longo dos anos, ela também tem sido capaz de promover o diálogo inter-religioso: a maioria dos beneficiários, de facto, é de religião muçulmana.

Os dados mais recentes do Índice de Desenvolvimento Humano, que mede o índice de desenvolvimento humano para cada País, mostram que, entre os últimos 20 da lista, 19 pertencem à África e, destes, 7 estão localizados na região do Sahel. Para agravar a situação estão, especialmente hoje, as frequentes crises alimentares, o exaurimento dos recursos naturais, sobretudo hídricos, e a violência perpetrada na população da zona, que se vê a braços com a presença de grupos extremistas.

Os membros do Conselho de Administração são: Dom Lucas Kalfa Sanou, Bispo de Banfora (Burkina Faso), Presidente; Dom Paul Abel Mamba, Bispo de Ziguinchor (Senegal), Vice-Presidente; Dom Martin Albert Happe, Bispo de Nouakchott (Mauritânia), Tesoureiro; Ambroise Ouédraogo, Bispo de Maradi (Níger); Dom Ildo Fortes, Bispo de Mindelo (Cabo Verde); Dom Edmond Djitangar, Arcebispo de N'Djamena (Chade); Dom Robert Patrick Ellison, Bispo de Banjul (Gâmbia); Dom Pedro Carlos Zilli, Bispo de Bafatá (Guiné-Bissau); Dom Augustin Traoré, Bispo de Segou (Mali). (BS)

21/02/2017 15:22