Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

App:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Discursos

Papa convidou a rezar a Santa Bakhita pelos migrantes e pelos rohingya

Papa Francisco na audiência mostrando a imagem de Santa Bakhita - ANSA

08/02/2017 15:26

A data de 8 de Fevereiro foi escolhida precisamente porque recorda Santa Bakita, nascida no Sudão em 1869, raptada aos sete anos de idade e vendida várias vezes como escrava, nessas formas antigas de escravatura, talvez não suficientemente estudada e combatida, havendo hoje no mundo novas formas de escravatura. Depois da sua libertação Bakhita entrou na Congregação das Filhas da Caridade e foi canonizada pelo Papa João Paulo II no ano 2000. É, portanto, de algum modo, um símbolo da libertação da escravatura e do encontro com Cristo no nosso caminho, caminho a que muitas pessoas procuram levar hoje as pessoas apanhadas pela armadilha do tráfico humano. A irmã Mónica Chikwe da Nigéria, país bastante afectado por esses tráficos, é uma delas, como explica a colega Bianca Fraccalvieri na peça.

Papa recorda Dia Mundial de Oração contra o tráfico humano

No final da audiência de hoje, o Papa recordou este dia de oração e encorajou quantos se dedicam de modo particular a ajudar os menores escravizados e abusados a libertar dessa opressão. O Papa exprimiu também o desejo de que os governantes combatam decididamente esta praga dando voz – disse – “aos nossos irmãos mais pequenos, humilhados na sua dignidade". É preciso fazer todos os esforços para debelar este crime vergonhoso e intolerável, rematou o Papa recordando que Bakita, escravizada, explorada, humilhada, não perdeu a esperança. Levou avante a sua fé até chegar à Europa como migrante e ali sentiu a chamada do Senhor. Francisco pediu que rezemos a Santa Bakita para todos os migrantes e refugiados que sofrem muito, muito. E nesta senda pediu orações de modo particular pelos Rohinya, gente boa pacífica, não cristãos, mas nossos irmãos e irmãs, mandados embora da sua terra o Myanmar e que vão de um lado para outro, porque ninguém os quer aceitar. Foram torturados, mortos, simplesmente porque levam avante as suas tradições, a sua fé muçulmana. Rezemos por eles - concluiu o Papa 

Mártir japonês beatificado 

Ainda depois da audiência de hoje, o Papa recordou que ontem, em Osaka, no Japão, foi proclamado Bem-aventurado Justo Takayama Ukon, fiel leigo japonês, morto martirizado em Manila em 1615.

“Em vez de descer a pacto, renunciou a honras e a uma vida regalada, aceitando a humilhação e o exílio. Permaneceu fiel a Cristo e ao Evangelho; por isso representa um admirável exemplo de fortaleza na fé e de dedicação na caridade” – disse Francisco.

Dia Mundial dos Doentes

O Papa sublinhou ainda que sábado próximo 11 de Fevereiro ocorre a 25ª Jornada Mundial do Doente. “A celebração principal – disse – terá lugar em Lourdes e será  presidida pelo Cardeal Secretário de Estado. Convido a rezar , por intercepção da nossa Santa Mãe, por todos os doentes, especialmente pelos mais graves e mais sós, e também por todos aqueles que cuidam deles” 

(DA)

08/02/2017 15:26