Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Atividades

Papa: a esperança jamais desilude

- AP

11/01/2017 15:50

Vaticano (RV) – O Papa Francisco realizou na manhã desta quarta-feira, dia 11 de Janeiro, às 9,45 horas de Roma, a habitual audiência geral na Aula Paulo VI, repleta de fiéis e peregrinos vindos de todas as partes da Itália e do mundo para assistir a catequese do Papa. Tema da reflexão catequética do Papa hoje é a esperança que nos advém do Advento e do Natal: um período do ano litúrgico, disse o Papa, que desperta no povo de Deus o desejo da esperança. A esperança, sublinhou Francisco, é uma necessidade primária do homem: ter esperança no futuro, acreditar na vida, enfim,  “pensar positivo”.

Mas é importante que essa esperança seja radicada em algo que  nos possa ajudar a viver e a dar um sentido à nossa existência. É por isso que a Sagrada Escritura nos adverte contra as falsas esperanças que o mundo nos apresenta, revelando a sua inutilidade e insensatez. E o faz de diversos modos, mas sobretudo denunciando a falsidade dos ídolos nos quais o homem está continuamente tentado de depositar a sua confiança, transformando-os em objectos da sua esperança.   

Certo que a fé, observa o Papa, é confiar no Senhor. Entretanto chegam sempre os momentos em que, enfrentando dificuldades objectivas da vida, o homem experimenta a fragilidade da sua esperança e sente então a necessidade de adquirir outras formas de certezas, de segurança tangíveis, concretas. É neste preciso momento que somos tentados a procurar consolações também efémeras, que parecem preencher o vazio da solidão que experimentamos. Mas sobretudo, pensamos poder encontrar a certeza na segurança que nos pode garantir o dinheiro, nas alianças que estabelecemos com os potentes do mundo, na mundanidade, nas falsas ideologias.

 Ora, sublinhou o Santo Padre, os profetas, os salmos da Sagrada Escritura, recordam-nos que todas essas certezas são apenas falsos ídolos. E não se trata apenas de imagens feitas de metal ou de barro, mas também imagens construídas na nossa mente, quando confiamos em realidades limitadas que transformamos em absolutos ou quando reduzimos Deus aos nossos esquemas e ideias de divindade: um deus à nossa medida, que possa servir as nossas exigências e intervir magicamente para mudar a realidade e torná-la como a queremos nós. Neste caso o homem, feito à imagem de Deus, fabrica um deus à sua própria imagem e uma imagem mal conseguida, pois não ouve, não age e sobretudo não pode falar.

À esperança no Senhor da vida, que, com a sua Palavra, criou o mundo e conduz a nossa existência, contrapomos a confiança em imagens mudas. As ideologias com a sua pretensão de absoluto, as riquezas, o poder e o sucesso, com a sua ilusão de eternidade e omnipotência, valores como a beleza física e a saúde vistos como ídolos aos quais tudo se sacrifica: tudo isso são realidades que confundem a mente e o coração e, em vez de favorecer a vida, conduzem à morte.

Ora, a mensagem do Salmo, disse Francisco, é muito clara: se colocamos a nossa esperança em tais ídolos, ficamos como eles: imagens vazias, com mãos que não apalpam, pés que não caminham, bocas que não podem falar. Não temos nada para dizer, tornamo-nos incapazes de ajudar, melhorar a vida, sorrir, dar-se.

Eis a estupenda realidade da esperança: confiando no Senhor, depositando a nossa esperança no Senhor, tornamo-nos como Ele,  a sua bênção nos transforma em filhos que partilham a sua vida. A esperança em Deus nos faz entrar, por assim dizer, nos raios de acção da sua recordação, da sua memória que nos abençoa e nos salva. E então pode brotar o aleluia, o louvor ao Deus vivo e verdadeiro, que para nós nasceu da Virgem Maria, morreu na cruz e ressuscitou na glória.

Como em todas as audiências gerais das quartas-feiras, também hoje não faltou a saudação especial do Papa aos numerosos fiéis e peregrinos de língua oficial portuguesa, presentes na Aula Paulo VI: “Amados peregrinos de língua portuguesa, cordiais saudações para todos vós, de modo especial para os membros do Grupo de Cavaquinhos de Passos de Silgueiros. Sobre os vossos passos, invoco a graça do encontro com Deus: Jesus Cristo é a Tenda divina no meio de nós. Ide até Ele, vivei na sua amizade e tereis a vida eterna. Sobre vós e vossas famílias desça a Bênção de Deus!

11/01/2017 15:50