Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Atividades

Papa na Audiência Geral: lamentar-se com Deus é um modo de rezar

Audiência Geral com Papa Francisco na Sala Paulo VI - ANSA

28/12/2016 12:35

Quarta-feira, 28 de dezembro, audiência geral com o Papa Francisco, na Sala Paulo VI, em que Francisco dedicou a sua catequese ao tema da fé e da esperança. Na vida de Abraão, disse, podemos aprender o que é o caminho da fé e da esperança. Um dia ouvira o Senhor que o chamava a deixar a sua terra partindo para outra que lhe indicaria; ele obedece e parte para a Terra Prometida.

Esta seria possuída pelos seus herdeiros; só que Abraão não tinha filhos, nem via possibilidade de os ter, pois ele era já idoso e Sara, sua esposa, estéril. A este propósito, escreve São Paulo na Carta aos Romanos: «Foi com uma esperança, para além do que se podia esperar, que Abraão acreditou e assim se tornou pai de muitos povos», ressaltou o Papa.

Confiando nesta promessa, Abraão põe-se a caminho, aceita deixar a sua terra e tornar-se estrangeiro, esperando este "impossível" filho que Deus lhe deveria dar, apesar do ventre de Sara ser já praticamente como morto.

“Abraão acredita, a sua fé abre-se a uma esperança aparentemente irracional; essa é a capacidade de ir além dos raciocínios humanos, da sabedoria e da prudência do mundo, além daquilo que normalmente é considerado bom senso, para acreditar no impossível. A esperança abre novos horizontes, permite-nos sonhar aquilo que não é sequer imaginável. A esperança faz entrar na escuridão de um futuro incerto para caminhar na luz”.

Mas é um caminho difícil! – reconheceu Francisco – e o próprio Abraão sentiu o peso da desilusão, do desânimo: o tempo passa, e o filho não vem. E lamenta-se com Deus. Mas também este lamento é uma forma de fé, disse o Papa. Apesar de tudo, Abraão continua a crer em Deus e a esperar que algo possa ainda acontecer:

“E eis que lhe foi dirigida esta palavra do Senhor: "Não será ele o teu herdeiro, mas um nascido de ti será o teu herdeiro". Depois levou-o para fora e disse-lhe: "Olha para o céu e conta as estrelas, se pode contá-las”, e acrescentou: "Assim será a tua descendência". E Abraão acreditou no Senhor, que lhe reputou como justiça".

Por isso, continuou o Papa, a fé não é apenas silêncio que tudo aceita sem replicar e a esperança não dá uma certeza tal que te preserve de dúvidas e perplexidades. A fé é também lutar com Deus, mostrar-Lhe a nossa amargura sem piedosos fingimentos. E a esperança é também não ter medo de olhar a realidade como está e aceitar as suas contradições. E acrescentou:

“Abraão, portanto, na fé, se dirige a Deus para que o ajude a continuar a esperar. E o Senhor responde insistindo com sua inverosímil esperança: o herdeiro não será um servo, mas um filho, nascido de Abraão, gerado por ele. Nada mudou, para Deus. Ele continua a reafirmar o que tinha dito e, e não oferece pontos de apoio a Abraão para se sentir tranquilo. A sua única segurança é  confiar na palavra do Senhor, e continuar a esperar”.

Na conclusão da sua catequese, Francisco sublinhou ainda que é esta fé, este o caminho da esperança que cada um de nós deve percorrer. Se para nós também a única possibilidade que nos resta é a de olhar para as estrelas, então é tempo de confiar em Deus. Não existe coisa mais bela.

Nas saudações o Papa dirigiu-se também aos peregrinos de língua portuguesa presentes na audiência, desejando-lhes todas as consolações e graças do Deus Menino. Nos vossos corações, famílias e comunidades, ressaltou, resplandeça a luz do Salvador, que nos revela o rosto terno e misericordioso do Pai do Céu e que Ele vos abençoe com um Ano Novo sereno e feliz!

Dirigindo-se aos peregrinos de língua italiana, o Papa saudou em particular os operadores e artistas e do Golden Circus de Liana Orfei, agradecendo-lhes pela exibição pois a beleza, disse, sempre nos aproxima de Deus.

E a terminar Francisco estendeu uma saudação especial aos jovens, doentes e jovens esposos, auspicando que os Santos Inocentes mártires, que hoje se recordam, ajudem  todos a ser fortes na fé olhando para o Deus Menino que no Natal se oferece à humanidade:

“Queridos jovens, possais também vós crescer como Ele: obedientes aos pais e prontos para compreender e seguir a vontade do Pai que está nos céus. Queridos doentes, que possais ver, na viva luz de Belém, o significado do vosso sofrimento. E exorto-vos, queridos recém-casados, a manter-vos constantes na construção da vossa família, o amor e a dedicação para além de qualquer sacrifício. E a nunca terminar o dia sem fazer as pazes.

Depois da oração do Pai Nosso o Papa a todos deu a sua bênção.

28/12/2016 12:35