Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Atividades

Francisco, apelo aos líderes da RDC: escutem a dor do povo

Papa Francisco e Presidente da RDC José Kabila - REUTERS

21/12/2016 12:25

Um apelo aos políticos congoleses para que vejam os sofrimentos de seu povo foi lançado hoje à margem audiência geral, pelo Papa. Francisco, que recordou o recente encontro com os vértices da Conferência Episcopal da República Democrática do Congo, invoca o bem comum para um País dilacerado pela violência.

O Papa Francisco dirige-se aos líderes políticos da República Democrática do Congo, pedindo-lhes para que escutem as suas consciências, sobretudo para olharem para os sofrimentos em que a vive a população neste momento:

 “Faço novamente um premente apelo a todos os congoleses para que, neste momento delicado da sua história, sejam artífices de reconciliação e paz. Aqueles que têm responsabilidades políticas escutem a voz da própria consciência, saibam  ver os sofrimentos cruéis dos seus compatriotas e tenham a peito o bem comum”.

Seriam pelo menos 26, segundo as associações dos direitos humanos, as vítimas da violência que eclodiu entre as forças de segurança e os manifestantes contrários ao Presidente Kabila. Polícia e militares teriam aberto fogo contra os civis e os temores são de que as vítimas possam realmente ser muito mais. Os incidentes ocorreram na capital Kinshasa, onde os guardas foram de casa em casa para prender  jovens, enquanto os manifestantes ateavam fogo na sede do partido maioritário. Negociações entre o governo e a oposição deveriam ser retomadas hoje (21/12), com a mediação da Igreja Católica. Kabila, que está no poder desde 2001, segundo a Constituição já não poderia candidatar-se para um outro mandato, mas um tribunal decidiu que ele poderia permanecer no poder pelo menos até às próximas eleições que, previstas para novembro, foram pelo contrário adiadas indefinidamente. O líder do principal partido da oposição, Etienne Tshisekedi convocou à resistência pacífica, em resposta àquilo que chamou de "golpe de estado" de Kabila. O impasse político tem causado uma agitação generalizada em todo o País. (BS)

21/12/2016 12:25