Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Papa Francisco \ Discursos

Não cair na tentação da resignação - Papa na Missa em Morélia

Participantes na Missa do Papa em Morelia, Estado de Michoácan, México - REUTERS

16/02/2016 19:36

Nesta terça-feira 16 de Fevereiro, 4º dia da visita do Papa aos Estados Unidos do México, Francisco partiu por volta das 7.30 da manhã da Cidade do México para o Estado de Michoácan, a 210km da capital do país. Depois de 55’ de voo, chegou a Morélia, principal cidade do Estado de Michoacan, cidade que, tal como o Chiapas, tem uma prevalência de população indígena.

Situada na parte central do país a cerca de dois mil metros de altitude, Morélia tem 600 mil habitantes. Michoácan, que em língua indígena, significa lugar de muitos peixes, tem de facto muitos lagos e paisagem verdejante na parte norte, enquanto que a parte sul é mais árida e quente. E é considerada uma zona quente também do ponto de vista social, com muita marginalização e uma forte presença de narcotraficantes. O seu Porto é um ponto de passagem da droga que chega do resto da América Latina e da Ásia.

A Arquidiocese de Morélia foi criada em 1536, mas hoje a sua acção é bastante difícil, cautelosa, quase silenciosa nesse difícil contexto social de Michoácan, como de resto em várias outras partes do México. E será, talvez, por isso, que o Papa, na sua homilia da Missa com Sacerdotes, Religiosos, Religiosas e seminaristas convidou a não cederem à tentação de se resignar e a revisitarem a memória histórica do país,  e tal como São Paulo a sentirem o dever de evangelizar, de aprender a rezar, de modo particular, o Pai Nosso, a oração através da qual Cristo quis introduzir os seus na Sua vida.

Aprende-se a rezar como se aprende a caminhar, a falar, a escutar. A escola da oração é a escola da vida, e a escola da vida é o lugar onde fazemos escola de oração

Seguindo o exemplo de Jesus que soube viver rezando e rezar vivendo, ao dizer Pai Nosso, Abá, Pai… o Papa convidou os sacerdotes, consagrados e seminaristas a rezar, a sentirem vivamente o desejo, a obrigação, de partilhar com os outros a Palavra de Deus. E recordou-lhes que não são funcionários do divino, empregados de Deus. São sim, pessoas convidadas encerrar-se no coração de Cristo, um coração que reza e vive dizendo: Pai Nosso. “Em que consiste a missão, senão em dizer com a nossa vida: Pai Nosso?” – perguntou Francisco.

É a este Pai Nosso, continuou, que nos dirigimos todos os dias pedindo para não nos deixar cair em tentação. E a tentação maior em ambientes dominados pela violência, corrupção, trafico de drogas, desprezo pela dignidade da pessoa, indiferença perante o sofrimento e a precariedade, perante um sistema que parece irremovível – disse o Papa – é a resignação:

À vista desta realidade, pode vencer-nos uma das armas preferidas do demónio: a resignação. Uma resignação que nos paralisa e impede não só de caminhar, mas também de abrir caminho; uma resignação que não só nos atemoriza, mas também nos entrincheira nas nossas «sacristias» e seguranças aparentes; uma resignação que não só nos impede de anunciar, mas impede-nos também de louvar; uma resignação que nos impede não só de projectar, mas também de arriscar e transformar

Então há que pedir ao Pai Nosso para não nos deixar cair em tentação – prosseguiu o Papa, recomendando também  a recorrer à memória. E a este respeito recordou uma das figuras históricas da evangelização de Michoácan, Vasco Vasquez Quiroga, um espanhol que se fez índio, pela forma como agia e tratava os índios no século XVI. Ele descrevia a realidade dos índios Purhépechas como “vendidos, vexados e errando pelos mercados a recolher os restos que se deitavam fora”. Mas longe de cair na tentação da resignação, Vasquez deixou-se mover pela fé, pela compaixão, e isto estimulou-o a realizar iniciativas que permitissem “respirar” no meio dessa realidade tão paralisante e injusta.

A amargura do sofrimento dos seus irmãos fez-se oração e oração fez-se resposta concreta. Isto valeu-lhe, entre os índios, o nome de “Tata Vasco” que na língua purhepechas, significa Papá."

E o Papa concluiu com estas palavras:

“Pai, Papá, Abbá, não nos deixeis cair na tentação da resignação, não nos deixeis cair na tentação da perda da memória, não nos deixeis cair na tentação de nos esquecermos dos nossos maiores que nos ensinaram, com a sua vida, a dizer: Pai Nosso”.

(DA)

16/02/2016 19:36