Ler o artigo Acessar menu principal

Redes Sociais:

RSS:

Rádio Vaticano

A voz do Papa e da Igreja em diálogo com o mundo

outras línguas:

Atualidade \ Mondo em geral

Irão: acordo histórico sobre o programa nuclear

Durante as negociações sobre o programa nuclear iraniano - EPA

15/07/2015 10:14

Depois de vinte meses de negociações e de quase doze anos de tensões, o Irão e as grandes potências: Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha, chegaram a um acordo histórico sobre o programa nuclear iraniano. O acordo não entra em vigor no imediato, pois deve ainda ser aceite pelo Congresso norte-americano e pelo parlamento iraniano.

Este histórico acordo garantirá a Teerão a gradual revogação de sanções em troca da significativa redução do seu programa nuclear. O entendimento prevê, em particular, que os inspetores da Agência Internacional para a Energia Atómica possam ter acesso a todos os locais iranianos suspeitos, incluindo os militares. O Irão também aceitou que as sanções sejam novamente impostas no caso de uma violação do acordo.

Serão suspensas as sanções contra o Irão, à exceção daquelas sobre as armas e sobre os mísseis balísticos que serão removidas, gradualmente, entre cinco e oito anos. O acordo abre uma nova página na política mundial, pois as potências ocidentais sempre acusaram Teerão de utilizar as atividades de enriquecimento de urânio para a produção de armas atómicas.

O Estado de Israel lançou fortes críticas ao acordo através do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu que afirmou que o acordo “é um erro de proporções históricas”.

Entretanto, o Presidente norte-americano Barack Obama, declarou que graças a este acordo, capaz de satisfazer todos os requisitos, o Irão não será capaz de desenvolver a bomba atómica.

Por sua vez, o Chefe de Estado iraniano Hassam Rohani, sublinhou que a partir de agora abrem-se novos horizontes centrados em desafios comuns.

A representante da política externa europeia, Federica Mogherini, afirmou que se abre “um novo capítulo nas relações internacionais”. O responsável da diplomacia iraniana, Mohammad Javad Zarif,disse que o acordo não é perfeito, mas, acrescentou, ser este um momento histórico. (RS)

15/07/2015 10:14